© 2018 By Ever4U                                                                                 Campinas - São Paulo - Brasil (19) 9 9663 4754

CURSOS 

Escola e cursos direcionados para mulheres

​​

  Existem várias hipóteses relacionadas a "origem da dança do ventre". Infelizmente não há documentos suficientes que comprovem a dança efetivamente. Os primeiros indícios sobre sua origem vieram dos Petróglifos (inscrições em rochas e cavernas) descobertos no antigo Egito, feitos há pelo menos 7.000 anos, porém, uma outra civilização mais antiga que a egípcia, a dos sumérios, já praticava um tipo de dança-ritual em homenagem a divindades femininas. Segundo historiadores, ela era praticada na antiga civilização do Egito pré-dinástico (anterior aos faraós) por sacerdotisas em devoção à Iaset (Ísis), deusa mãe, em rituais de celebração à vida e fertilidade. A dança era executada para servir como um canal para a Deusa nos rituais religiosos, através de representações dos elementos da natureza e animais sagrados.

   Com o passar do tempo, a dança foi deixando de ser exclusividade das sacerdotisas, e acabou chegando a outras comemorações familiares como aniversários, nascimentos e funerais na época faraônica. Com a invasão do povo árabe no Egito, a dança foi divulgada por todo o Oriente e incorporada à sua cultura, assumindo assim ares mais festivos. A partir de então, nasceu a Dança Oriental ou Raks el Shark, como é conhecida nos países árabes.

   No Ocidente, foram os franceses os responsáveis pela divulgação da dança na Europa. Quando Napoleão fez sua expedição ao Egito, em 1798, os europeus foram cativados pelas dançarinas ghawazee (ciganas) e passaram a chamar a dança de "danse du ventre", o que deu origem à palavra Dança do Ventre, como a conhecemos hoje aqui no Brasil.

   Apesar da dança ter perdido grande parte de seu caráter ritualístico após toda esta influência de outros povos, o importante é lembrar que a dança oriental sempre foi uma celebração à vida e à mulher, e que deve ser transmitida com muito amor e respeito.

Dança do Ventre

​​

  A dança na vida da criança além de desenvolver uma formação artística, faz parte do seu desenvolvimento como ser humano consigo mesma, com os outros e com seu meio.

    A dança do ventre infantil desenvolve estímulos como:

 

* Tátil – sentir os movimentos e seus benefícios para o corpo;

 

* Visual – ver os movimentos e transformá-los em atos;

 

* Auditivo – ouvir a música e dominar o seu ritmo;

 

* Afetivo – emoções e sentimentos transpostos na coreografia;

 

* Cognitivo – raciocínio, ritmo, coordenação;

 

* Motor – esquema corporal, coordenação motora associada ao equilíbrio e flexibilidade.

 

Além de favorecer aspectos como criatividade, musicalidade, socialização e conhecimento da dança em si. Um trabalho diferenciado, lúdico, sem sensualizar.

Dança do Ventre
Infantil
Dança do Ventre
Melhor  Idade

​​

Benefícios da prática da Dança do Ventre para mulheres na melhor idade:

 

* Proporciona qualidade de vida e o resgate da essência feminina em prol do bem-estar pessoal;

 

* Benefícios físicos considerando a prática de atividades físicas, integração social, estética e imagem corporal;

 

* Luta contra a limitação física e perda da capacidade funcional natural ao envelhecimento;

 

* Resgate da identidade feminina, autoestima e sensualidade.

Bollywood
Dança  Indiana

    Bollywood Dance é uma dança indiana moderna – resultado da fusão da dança clássica indiana com outros estilos como o hip hop e o jazz. Dança que surgiu nos filmes da maior indústria cinematográfica do mundo, o Bollywood (Hollywood + Bombay) tem ganhado espaço mundialmente, pela riquíssima cultura indiana.

   Dança alegre, expressiva, ativa os sentidos, a coordenação motora, assim como nos leva a conhecer um pouco mais da Índia.

Tribal  Fusion

​​

   Tribal Fusion é uma dança que fusiona a modalidade de dança chamada ATS (estilo tribal americano) com outras danças. Uma de suas bases é a Dança do Ventre, também encontramos nela a influência da Yoga, da dança clássica indiana, flamenca, hiphop e ballet.

   Os estilos fusionados são muito bem estudados e representados com fluidez. O Tribal Fusion utiliza muita consciência muscular, por isso exige treino e disciplina. Vale dizer que alguns elementos como a postura do ATS (estilo tribal americano) e alguns de seus passos ainda que estilizados, devem estar presentes na dança Tribal Fusion ou ela será apenas uma fusão de danças, por isso é necessário conhecer e nomear corretamente o estilo. Partindo do tribal fusion, são encontrados diversos tipos de subdivisões e estilos. Entretanto, tribal Fusion é um estilo novo que está em constante modificação.         Espera-se das dançarinas de tribal, que elas mostrem sua personalidade em cena, dentro dos repertórios de passos das danças escolhidas em conjunto com as técnicas aprendidas. O Estilo Tribal Americano (ATS) deu origem ao Tribal fusion, é o nome criado por Carolena Nericcio (EUA) para preservar na dança certos elementos (movimentos de quadril da dança oriental, braços de flamenco, visual com caráter étnico/folclórico) e a improvisação coordenada em grupo, onde uma líder se comunica com as outras dançarinas do grupo atravéz de sinais corporais com base em um repertório de passos comum a todas.

   O trajes do ATS homenageiam as diversas etnias presentes na fusão, assim como metais, penas e a prata de tribos orientais, moedas de trajes egípcios e árabes, saias do flamenco e cholis indianos. No tribal fusion os trajes são estilizados de acordo com a intenção, a música, a bailaria e etc.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now